EdiÁão Atual - Home
  

TRAMA

Se eu soubesse de alguma coisa e pudesse te dizer eu te diria que o que você custa em ver é que o que acontece entre nós e o que você faz para mim, é justamente aquilo que te rodeia. São as situações da sua vida que te forçam a mudar comportamentos que já não expressam quem você é.

Diria que o te incomoda nos outros, não está nos outros, está em você. São reflexos externos que você atraiu. São características que você tem, ou com as quais você está aprendendo a lidar, ou que você precisa incorporar, ou que não gosta em você. São atitudes que você toma, questões que você se pergunta, padrões com os quais você luta. Tudo está em você.

Diria para você aceitar quem você é, apropriar-se de você e observar a insistente circunstância externa deixar de existir.

Diria para se amar em sua totalidade e amar o outro sem querer mudá-lo.

Diria que a maior força para ajudar o próximo a mudar o que ele quer mudar é o seu apoio e aceitação incondicionais.

Diria para se perdoar e perdoar o outro porque eu falho a todo momento e você falha a todo momento.

Diria que sou perfeita em minha imperfeição e assim você é.

Diria que amor com amor não se paga, porque amor não se paga, porque amor é.

Diria que troca não é finalidade, não é recompensa. Troca é uma conseqüência inevitável e que nem sempre trocamos com quem damos, ou seja, nem sempre recebemos de quem beneficiamos bem como nem sempre pagamos para aqueles que prejudicamos, mas a troca chega, ela é, como o amor é, é ação – resposta, lei, conservação, transformação e fluxo de energia.

Diria que uma nova trama está sendo criada. Que você é a trama e um dos fios dessa trama. Que ela é nova porque é substância e tempo. Que ela é nova porque você é a substância que se renova e recria a cada instante. Que ela é nova porque só existe agora. Essa trama que eu vejo em você e que se espalha quando você toca o outro e que faz o mundo e que é o mundo, cintila de amor, tem padrões tecidos em respeito, justiça, verdade, igualdade, beleza, harmonia, liberdade, se ilumina mais e mais com sua lucidez e possui um valor indestrutível e inestimável.

Diria para você tecer sua trama com consciência.

Diria para você ser grato e confiar no processo.

Diria para você ir de encontro à vida com o peito aberto.

Isso tudo eu diria para mim.

Claudia Boacnin, junho de 2005

Todo o material contido neste site é parte integrante do Curso “Cultivando Valores” desenvolvido por Claudia Boacnin e tem seus direitos autorais protegidos sob registro na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. É proibida, portanto, a reprodução dos textos e atividades sem a autorização expressa da autora.